BMdC Entrevista: Hugo Rocha, idealizador da Cerveja Manchinha


blog mundo da cerveja Entrevista com Hugo Rocha idealizador da cerveja Manchinha
Entrevista com Hugo Rocha idealizador da cerveja Manchinha


No final de 2018, o país assistiu estarrecido a um caso de mau trato a um animal inocente que acarretou a sua morte. 

A cadelinha Manchinha foi abandonada num hipermercado na cidade de Osasco – SP, e lá ela estava sobrevivendo, com alguns funcionários desse hipermercado alimentando a cadelinha. No final de novembro, um supervisor desse hipermercado mandou um segurança “dar um fim” na pobre cadelinha, e o mesmo ao invés de levar ela a um abrigo de animais, ou coisa do tipo, foi com uma barra bater nela, quebrando uma das patinhas e machucando muito a Manchinha que acabou falecendo no Centro de Zoonoses de Osasco.

Muitas pessoas ficaram chocadas com o caso, cobrando explicações do ocorrido do hipermercado e para qualquer responsável sobre o caso, entre essas pessoas que ficaram chocadas ficaram eu, Pedro que vos escreve, e também uma pessoa de coração nobre e muita atitude para fazer algo mais, o amante de boas cervejas e dos animais Hugo Rocha, que fez um belo texto no Facebook e no Instagram sugerindo uma ação conjunta com as grandes cervejarias artesanais nacionais para fazer algo em homenagem à memória da Manchinha, e que também possa ajudar as instituições de ajuda aos animais. E o BMdC teve o enorme prazer de conversar com ele, e o resultado desse papo você confere logo abaixo:

BMdC – Hugo, tenho certeza que sei sua resposta, mas qual foi sua sensação, sua reação ao ficar sabendo do ocorrido em Osasco?

Um misto de ódio e indignação. É muito revoltante saber que ainda hoje existem tantas pessoas capazes de tamanha crueldade com um ser que não tem maldade nenhuma e não é capaz de se defender de uma agressão desse tipo.

É bom lembrar que, apesar desse episódio ter ganhado uma repercussão maior, infelizmente não foi o único. Não muito tempo depois uma gatinha chamada Nina foi morta a pauladas por uma mulher dentro de um mercado em Paraty / RJ.

É importante dizer que não é questão de dar mais importância a uma tragédia do que a outra, porque uma foi com um cachorro e outra foi com um gato, como tem muita gente dizendo. Eu mesmo sou mais “gateiro” do que “cachorreiro”, pois tenho 3 gatas e não tenho cachorros. É questão de homenagear uma vítima que se tornou um símbolo desse tipo de covardia e não deixar essa história cair no esquecimento, pra assim evitar que continue acontecendo.

BMdC  – Quando foi que você resolveu partir para o convite para as cervejarias fazerem essa cerveja em conjunto?

Quando eu vi a ilustração feita pelo Geralf, que é um ilustrador e tatuador de BH, meus olhos se encheram de água, de verdade. Ele representou a Manchinha como um anjo e não por acaso a imagem viralizou e tocou muitas outras pessoas.

Eu pensei até em tatuar aquela imagem, mas achei que não seria justo com as minhas 3 gatas, pois não tenho elas tatuadas. Aí, como eu sou um consumidor voraz de cervejas especiais e conheço muita gente do meio, propus ao pessoal da Cervejaria Augustinus a fazer uma cerveja pra ela. 
Porém, fiquei com receio disso soar oportunista.

Foi então que me veio a ideia de estender o convite a outras cervejarias, porém, com o objetivo de arrecadação de fundos pra instituições de proteção animal, independente de serem de cachorros, gatos, tamanduás ou iguanas.

A inspiração veio de um movimento feito pela Sierra Nevada, que convocou todas as cervejarias americanas a produzirem uma IPA chamada Resilience e doar os lucros para as vítimas de um incêndio enorme que atingiu a Califórnia no último novembro. Mais de 1000 cervejarias estão participando.

Um dia estava acordado de madrugada com essa história martelando na cabeça e resolvi fazer um textão e postar no Facebook, convidando os cervejeiros com quem eu tenho um pouco mais de intimidade a comprar a ideia. Confesso que fiz isso com um pouco de receio de não dar em nada. 

Mas quando acordei o post já tinha bombado, muitos cervejeiros aceitaram de imediato, muitas pessoas elogiaram muito a iniciativa e aí eu percebi que tinha dado certo e não tinha mais volta.

BMdC  – Houve uma aceitação de todas as cervejarias convidadas?

De início convidei cerca de 20 cervejarias e de imediato umas 10 aceitaram. Outras aceitaram nos dias seguintes. E outras que eu não convidei ou porque esqueci ou porque não julgava ter intimidade pra isso também se candidataram. 

Assim chegamos nas 20 cervejarias que previ inicialmente.

Uns dias depois eu resolvi fazer um post no Instagram. Como esse app possui muitas limitações relacionadas a tamanho de texto e número de marcações, o original tinha sido feito somente no Facebook. Aí bombou mais ainda. Por causa de um repost da Cervejaria EverBrew o assunto alastrou e muitas outras pessoas fizeram outros reposts, inclusive o Marcelo Médici, que é um ator bastante conhecido. Assim outras cervejarias se prontificaram a participar e muitas outras pessoas que não conheciam a iniciativa elogiaram bastante.

Algumas cervejarias não retornaram o convite, pois estão avaliando sua participação. Mas não vou citá-las aqui porque não quero pressionar ninguém. Entendo que a participação tem de ser por livre e espontânea vontade.

Prefiro citar e já agradecer as 28 cervejarias que até o momento dessa publicação aceitaram o convite:

5 Elementos Cervejaria (CE)
Cervejaria 3 Orelhas (MG)
Cervejaria Octopus (MG)
Koala San Brew (MG)
Cervejaria Bionda (MT)
Cervejaria Estrada (PE)
Navegantes Cervejaria (PE)
O Motim (RJ)
Quatro Graus (RJ)
Three Monkeys (RJ)
Salvador Brewing (RS)
Taberna MF (RS)
Tupiniquim (RS)
Faroeste Beer (SC)
Locomotive Cerveja Artesanal (SC)
Cervejaria Augustinus (SP)
Croma Beer Company (SP)
Cervejaria Dádiva (SP)
Cervejaria Dogma (SP)
Cervejaria Escaravelho (SP)
Cervejaria EverBrew (SP)
Cervejaria Minnesota (SP)
Cervejaria Molinarius (SP)
Cervejaria Nacional (SP)
Cervejaria Satélite (SP)
Cervejaria Urbana (SP)
Mathias Cia. Cervejeira (SP)
Trilha Cervejaria (SP)
Infected Brewing (SP)
Cervejaria Synergy (SP)
Gallas Cerveja (Portugal)

cerveja em homenagem a cadela manchinha morta no carrefour
Cerveja Manchinha

E agradecer especialmente ao Léo e ao Gabriel da Augustinus, ao Victor da Dádiva e ao Pito da Taberna MF, que foram meus “balões de ensaio” e os primeiros a apoiarem essa ideia, antes mesmo de eu divulgar.

É bom reforçar que o grupo não está fechado, os convites não são restritos a quem eu conheço e o projeto ainda está aberto a receber tanto as cervejarias convidadas que ainda não responderam, quanto as não convidadas que se interessarem em participar. Como nossa realidade de mercado é outra e como eu não sou um player mundial do setor como é a Sierra Nevada, não tenho a pretensão de chegar no alcance da iniciativa deles, mas ficaria feliz se conseguisse uns 3 ou 4% daquele número.

BMdC  – Há uma definição sobre estilo, nome da cerveja?

Não será uma única cerveja. Depois de muitas discussões sobre o assunto, chegou-se à conclusão que não seria nem viável nem interessante fazer uma mega colaborativa. Inviável por questões logísticas e não interessante porque disso sairia uma única cerveja e as pessoas poderiam comprar uma única vez. Entendemos que, quanto mais cervejas diferentes, mais as pessoas tendem a comprar. Afinal existe o Untappd, né?

Assim cada cervejaria terá liberdade pra definir o estilo. Muitas estão se articulando pra fazer collabs, mas no máximo entre 2 cervejarias, o que é mais fácil.

O que não irá mudar é o nome das cervejas, que será “Nome daCervejaria + Manchinha”, e o rótulo, que será basicamente o mesmo pra todas e baseado na ilustração do Geralf, que já foi contatado e aceitou liberá-la pro projeto.

BMdC  – A intenção é de fazer essa cerveja ser vendida nacionalmente?

Isso vai depender da estratégia de distribuição de cada cervejaria e eu não tenho acesso a essas informações. Porém, como há cervejarias de 8 estados participando, o alcance será bem amplo.

Mas é preciso destacar que uma das cervejas será vendida fora do Brasil, uma vez que uma das cervejarias é de Portugal e já habituada a colaborar com a causa animal de lá.

BMdC – O lucro obtido com a venda dessa cerveja será destinado a entidades de proteção animal. Já tem em mente as entidades favorecidas?

Essa decisão será tomada em conjunto com as cervejarias e certamente será meio que “A Escolha de Sofia”. Tem muita instituição precisando de ajuda e infelizmente não será possível ajudar todas.

Já recebemos muitas indicações e muitas instituições se candidataram após os posts bombarem. 

O que posso adiantar é que as cervejarias ajudarão instituições do seu entorno e, até por uma questão de coerência, alguma instituição de Osasco deverá ser beneficiada.

Existe uma discussão sobre ajudar poucas instituições com uma quantia maior, pra ajuda ser mais relevante e duradoura, ou mais instituições com uma quantia menor, o que significaria somente um alívio temporário. Em todo caso, é minha opinião pessoal que instituições menos estruturadas e favorecidas devem ter prioridade. Repito, todas precisam de ajuda, mas sabemos que há instituições com mais renome e com uma rede de voluntários, apoiadores e doadores mais ampla.

BMdC  – Vi na sua postagem que além das cervejarias listadas há alguns bares e negócios cervejeiros que irão auxiliar esse projeto. De que forma eles deverão ajudar?

A Franck’s Ultra Coffee, que é de Curitiba e produz cafés fermentados e maturados em barris de destilados, se prontificou a doar café se alguma cervejaria quiser usar em sua receita.

O Empório do Malte, bar de cervejas especiais de Osasco, se comprometeu a doar o valor integral da venda a alguma instituição.

O Volátil Bar, que fica em Pompeia, em São Paulo, e é voltado pra cervejas especiais e drinks, vai ajudar de alguma forma que ainda vamos definir.

Idem com relação ao Armazém 77, que é um bar de cervejas especiais que fica na Penha, em São Paulo.

O Empório Confrades Beer, que é uma distribuidora de Goiânia e trabalha com muitas das cervejarias participantes, vai organizar um evento naquela cidade.

A Go Tube, que produz drinks mistos que são servidos em tubos recicláveis, vai tentar produzir algumas embalagens com a imagem da Manchinha e reverter os lucros ao projeto.

A MCM Logística, que trabalha com distribuição e transporte de cervejas, vai ajudar de alguma forma que ainda vamos definir.

BMdC  – Você tem alguma mensagem pra passar pra galera cervejeira que está lendo essa entrevista e que também irá comprar essa cerveja?

Esse projeto tem 2 propósitos principais:

1. Homenagear a manchinha e tentar reverter o ocorrido em algo positivo em prol de outros animais vulneráveis.

2. Não deixar que essa seja mais uma história de crueldade e covardia com animais a cair no esquecimento.

Desde o começo nossa maior preocupação é deixar totalmente claro que não está havendo nenhum tipo de oportunismo nessa iniciativa, que ninguém tem a intenção de capitalizar em cima do ocorrido e que o objetivo principal é arrecadar fundos pra ajudar algumas instituições de proteção animal. Como dito anteriormente, sabemos que não será possível ajudar todo mundo, mas qualquer coisa que fizermos é muito melhor do que não fazermos nada.

Então a mensagem óbvia é: Comprem a cerveja. O objetivo desse movimento é nobre e vai ajudar muitos bichinhos a ter uma vida mais digna.

Além disso, procure conhecer o trabalho dessas instituições. Tem muita gente que dedica muitas horas com trabalhos voluntários, mas vive agoniada devido à falta de recursos e estrutura. Quem sabe assim, além de comprar a cerveja, vc não decide se tornar um voluntário ou doador?


Fonte: Texto reproduzido na íntegra de Blog Mundo da Cerveja



Comentários